quarta-feira, 28 de setembro de 2011

A vontade de Deus na vida profissional

Façamos tudo para a glória de Deus
A profissão de cada um é um meio para se fazer a vontade de Deus no dia a dia. Viver mal a profissão, trabalhar mal, sem competência e bom desempenho é uma forma de desobedecer à vontade de Deus. O trabalho foi colocado em nossa vida, por Deus, como “um meio de santificação”. Depois que o homem pecou no paraíso e perdeu o “estado de justiça” e “santidade” originais, Deus Pai fez do trabalho um meio de redenção para o homem.

“Porque escutaste a voz de tua mulher e comeste da árvore que eu te proibira de comer, maldito é o solo por causa de ti. Com sofrimentos dele te nutrirás todos os dias de tua vida. Ele produzirá para ti espinhos e cardos e comerás a erva dos campos. Com suor do teu rosto comerás teu pão até que retornes ao solo, pois dele foste tirado” (Gen 3,17-19).

Mais do que um castigo para o homem, o trabalho foi inserido na sua vida para a sua redenção. Por causa do pecado ele agora é acompanhado do “suor”, mas este sofrimento Deus o fez matéria-prima de salvação.

Sem o trabalho do homem não há o pão e o vinho que, na Mesa Eucarística, se transformam no Corpo e no Sangue de Cristo. Sem o trabalho do homem não teríamos o pão de cada dia na mesa, a roupa, a casa, o transporte, o remédio, a cultura, entre outros. Tudo que chega a nós é fruto do trabalho de alguém; é por isso que o labor é santo e nos santifica quando realizado com fé, conforme a vontade de Deus.

São Josemaría Escrivá, fundador do Opus Dei, durante a celebração de uma Santa Missa, no campus da grande universidade de Navarra, na Espanha, fez uma histórica homilia, como título “Amar o Mundo Apaixonadamente”.  Ele fundou a prelazia para difundir a santidade no trabalho profissional e nas atividades diárias. Na homilia, ele falava da necessidade de "materializar a vida espiritual". O objetivo era combater a perigosa tentação do cristão de "levar uma espécie de vida dupla: a vida interior, a vida de relação com Deus, por um lado; e, por outro, diferente e separada, a vida familiar, profissional e social, cheia de pequenas realidades terrenas".

Santo Escrivá, um santo dos nossos dias, canonizado em 2002 por João Paulo II, olhava a vida com grande otimismo e considerava o trabalho e as relações humanas com alegria e dizia que: "O mundo não é ruim, porque saiu das mãos de Deus". "Qualquer modo de evasão das honestas realidades diárias é para os homens e mulheres do mundo coisa oposta à vontade de Deus".

Na verdade, somente com essa ótica podemos entender plenamente o mundo com os olhos de Deus. Nem o marxismo cultural, materialista e ateu, nem o consumismo desenfreado de nossos dias, nem o hedonismo, que busca o prazer como fim, podem dar ao homem moderno a felicidade e a verdadeira paz.

Qualquer que seja o trabalho, sendo honesto, é belo aos olhos de Deus Pai, porque com ele estamos “cooperando com Deus na obra da criação”. Não importa se o trabalho consiste nos simples afazeres de uma doméstica ou nas complicadas tarefas de um cirurgião que salva uma vida, tudo é importante diante do Senhor. O que mais importa é a intensidade do amor com que cada trabalho é realizado. Ele se tornará eterno na vida futura.

São Josemaría Escrivá falava da necessidade de o Cristianismo ser encarnado na vida cotidiana.

“Tudo o que fizerdes, fazei-o de bom coração, como para o Senhor e não para os homens. Sabeis que recebereis como recompensa a herança das mãos do Senhor. Servi ao Senhor Jesus Cristo” (Col 3,13).

Tudo o que fazemos deve ser feito “para o Senhor”. Não importa o que seja, se é grande ou pequeno, deve ser feito tendo o Senhor como o “Patrão”. Se você é lavadeira, então lave cada camisa ou cada calça como se o próprio Jesus fosse vesti-las.
Se você cozinha, faça a comida como se o Senhor fosse comê-la. Se você é um pintor de paredes, pinte a casa como se ela fosse a morada do Senhor. Se você varre a rua, limpe-a como se o Senhor fosse passar por ela... Se você é um aluno, estude a lição como se o professor fosse o Senhor Deus.

É isso que São Paulo quer nos ensinar quando diz que “tudo deve ser feito de bom coração, como para o Senhor, e não para os homens”. É claro que com essa “nova ótica”, você vai trabalhar da melhor maneira possível, com todo o  talento, cuidado, dedicação, competência, honestidade, pontualidade... perfeição, porque o fará para Deus. Isso santifica. Isso muda a nossa vida; e é a vontade de Deus. Isso o fará feliz. Quando trabalhamos assim, toda a vida se torna “sagrada”, pois é vivida plenamente para Deus.

É importante também notar o que São Paulo diz a seguir: “Sabeis que recebereis como recompensa a herança das mãos do Senhor”. Que “herança” é essa? É a vida eterna, o céu, o prêmio, por você ter sido “fiel no pouco”. Isso mostra que cada minuto do nosso labor aqui na terra, vivido por amor a Deus, com “reta intenção” de agradá-Lo, se transforma em semente de eternidade.
Foto
Felipe Aquino
felipeaquino@cancaonova.com
Prof. Felipe Aquino, casado, 5 filhos, doutor em Física pela UNESP. É membro do Conselho Diretor da Fundação João Paulo II. Participa de aprofundamentos no país e no exterior, escreveu mais de 60 livros e apresenta dois programas semanais na TV Canção Nova: "Escola da Fé" e "Trocando Idéias". Saiba mais em Blog do Professor Felipe Site do autor: www.cleofas.com.br

domingo, 25 de setembro de 2011

Como sobreviver enfrentando tantas dificuldades?

Somos os "infelizes que gritam a Deus". E somos ouvidos. Mas, ao mesmo tempo, porque somos ouvidos entramos em luta. Deixe-me dizer: somos "teimosos" como os apóstolos. Parece que eles eram teimosos, não é? Não parece não. Eles eram mesmo! Não "teimoso" no sentido ruim como nós falamos, mas essa "teimosia" por Deus. É preciso obedecer mais a Deus do que aos homens. Mesmo sofrendo, mesmo ameaçados, eles continuavam a lutar e não paravam.

Baixe e ouça esta pregação

Meu irmão, minha irmã, eu não estou minimizando o seu sofrimento. Talvez o seu sofrimento interior e o sofrimento da sua família seja grande, grande demais. São problemas com o seu casamento e com seus filhos, com a pobreza que você enfrenta, o desemprego; ou, então, a luta com o trabalho que você tem (graças a Deus!). Não estou minimizando seus problemas, mas este é o "mínimo do mínimo" para você sobreviver enfrentando tantas dificuldades.

Eu não tenho outra coisa a dizer a não ser aquilo que você já sabe: aguente firme, meu filho! Aguente firme, minha filha! Porque "esse infeliz gritou a Deus e foi ouvido!"

"Aguente firme, meu filho!", exorta monsenhor Jonas Abib em sua pregação


Quantas vezes nós nos revoltamos contra Deus! Você pode pensar: "Por que é que Deus permite isso? Eu sou tão bom! E por que justamente na minha família acontecem esses problemas? No meu casamento eu sou tão fiel e tem tanta gente adúltera, tanta gente errada, que bebe, se droga; tanta gente corrupta que eu conheço até na minha cidade, mas parece que eles não têm problema nenhum! Mas eu, que sou um 'pobre Jó', cheio de problemas, por que sofro isso?".

Meu irmão, minha irmã, não se deixe enganar pelo inimigo. Ele quer dizer para você que existe um caminho "aberto", um caminho "largo", sem pedras e dificuldades. E diz: "Venha para cá! Venha para o meu lado. Deixe sua cruz, deixe de sofrimento! Venha para a lei da 'liberdade'!".

É claro, você não é bobo! Você não vai se deixar enganar. E eu estou dizendo hoje: não se deixe enganar. Pelo contrário, saiba que nós estamos "gemendo e chorando, degredados filhos de Eva, nesse vale de lágrimas". Mas a vitória de Jesus já está conosco! Como o Ressuscitado estava com os apóstolos, Ele está conosco. Ele está na sua casa, Ele está na sua família mesmo cheia de problemas.

Temos problemas e continuaremos tendo problemas, mas eu lhes digo que, até a vinda de Jesus, estaremos num "vale de lágrimas". Mas veja bem: quem deu do seu suor, da sua lágrima, quem deu do seu sangue nesta luta já tem parte no Céu Novo e na Terra Nova, na humanidade que o Senhor vai trazer.

(Trecho da palestra "Gritou a Deus e foi ouvido" de 22 de abril de 2004 com monsenhor Jonas Abib)

fonte: Canção Nova

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Pergunte tudo a seu Senhor. Ele responderá


O próprio Jesus, aqui na terra, se fez uma ovelhinha do Pai, e perguntava tudo.

Por isso, nunca suponha nada! Pergunte tudo a seu Senhor. Ele responderá. O Senhor tem abundância de sabedoria para dar aos seus filhos. E quando começarmos a perguntar, quando começarmos a obter respostas do Senhor, saberemos afinal como educar os nossos filhos, como conduzir a nossa família, como nos portar diante do marido, diante da esposa. Vamos saber como nos comportar com o vizinho, com o patrão, diante do pároco, do Bispo, dos dirigentes da nossa paróquia, diante dos coordenadores do grupo de oração. Vamos saber agir diante dos nossos semelhantes, com as pessoas que estão sob nossos cuidados, no grupo de jovens, no grupo que dirigimos, vamos saber como nos conduzir.

Não porque tenhamos nos tornado sábios, mas porque a cada coisa que perguntamos ao Senhor, Ele irá nos respondendo, respondendo, respondendo.

Deus te abençoe!

Monsenhor Jonas Abib
Fundador da Comunidade Canção Nova

(Trecho do livro "A sabedoria está no ar" de monsenhor Jonas Abib)

fonte: Canção Nova

sábado, 17 de setembro de 2011

Formações: Castidade não é para anjos


A castidade é comandada pela virtude cardeal da temperança

A castidade não é para anjos, é para nós que queremos viver o caminho do Senhor. Existem meios, maneiras, para você conseguir essa graça. A busca pela santidade será até o fim da vida, nunca estaremos prontos.

O termo “castidade”, no Catecismo da Igreja Católica, é a integração da sexualidade na pessoa. Só isso? Só, mas dentro dessa definição existe um mundo de descobertas. A sexualidade é mais do que um órgão genital. Escutamos muito sobre sexo, pornografia, libertinagem com o corpo... Hoje, homens e mulheres são vistos como objetos pela sociedade, pelas novelas, por exemplo. Isso vai contra a nossa natureza, pois viemos do amor e da bondade.

Precisamos escolher o caminho de Deus para encontrar a verdadeira felicidade. É feliz aquele que espera no Senhor! Só é feliz por completo aquele que vive intensamente, – mesmo que lutando, caindo e levantando –, em Deus. Apenas satisfazendo os nossos prazeres seremos infelizes. Você acha que sexo com vários parceiros fará de você uma pessoa feliz? Se pensa assim, está enganado. A castidade é uma porta aberta para nos conhecermos e ficarmos felizes com nós mesmos e com os outros. Você é amado por Deus, Ele quis você antes do seu pai e da sua mãe. Honre o Seu amor!

A castidade parte de viver o verdadeiro amor. Precisamos recuperar a beleza da criação. Depois de ter criado tudo na terra, Deus Pai viu que era bom que o homem tivesse uma mulher (cf. Gênesis 1, 25-31). O Senhor criou o homem e a mulher para se amarem e se respeitarem um ao outro, não para um se aproveitar do outro. A sexualidade vai muito além do que as novelas e a mídia passam. As coisas que se referem ao sexo não são erradas e impuras. Hoje eu quero que você saiba da importância da castidade, que saiba que é algo lindo que você pode viver!

No Catecismo da Igreja Católica, parágrafos 2341-2345, diz assim:

“A virtude da castidade é comandada pela virtude cardeal da temperança, que tem em vista fazer depender da razão as paixões e os apetites da sensibilidade humana. O domínio de si mesmo é um trabalho a longo prazo. Nunca deve ser considerado definitivamente adquirido. Supõe um esforço a ser retomado em todas as idades da vida. O esforço necessário pode ser mais intenso em certas épocas, por exemplo, quando se forma a personalidade, durante a infância e adolescência.

A castidade tem leis de crescimento. Este crescimento passa por graus, marcados pela imperfeição e, muitas vezes, pelo pecado. Dia a dia o homem virtuoso e casto se constrói por meio de opções numerosas e livres. Assim, ele conhece, ama e realiza o bem moral seguindo as etapas de um crescimento.

A castidade representa uma tarefa eminentemente pessoal. Mas implica também um esforço cultural, porque o homem desenvolve-se em todas as suas qualidades mediante a comunicação com os outros. A castidade supõe o respeito pelos direitos da pessoa, particularmente o de receber uma informação e uma educação que respeitem as dimensões morais e espirituais da vida humana.

A castidade é uma virtude moral. É também um dom de Deus, uma graça, um fruto da obra espiritual. O Espírito Santo concede o dom de imitar a pureza de Cristo àquele que foi regenerado pela água do Batismo”.

A sexualidade é boa, foi Deus quem a criou. O problema é a falta de equilíbrio em nós, é o pecado que a distorce. Precisamos viver o PHN ('Por Hoje Não' ao pecado) todos os dias, com a certeza de que o amor de Deus nos concederá a graça do equilíbrio e do amor a nós mesmos.

É preciso amar para amar os outros, a obra tem que começar em você!

Texto extraído de pregação de fevereiro de 2010

http://www.cancaonova.com/portal/canais/eventos/novoeventos/cobertura.php?cod=2393&pre=6381

Eliana Ribeiro
Missionária da Comunidade Canção Nova

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Formações: Aridez espiritual


Quanto mais a noite fica escura, mais perto está a aurora

Muitas vezes, podemos passar por algum período de aridez espiritual, isto é, não temos vontade de rezar, torna-se difícil participar da Santa Missa, a reza do terço fica pesada, entre outros. Até mesmo a Sagrada Comunhão se torna um sacrifício diante das dúvidas que podem atingir a nossa alma. Parece que o céu sumiu.


Como vencer esse estado de espírito no qual parece que Deus está longe e que nos falta a fé? Primeiro, é preciso verificar se esta situação não é tibieza, ou seja, causada por nossa culpa em não perseverar no cuidado da vida espiritual, e, sobretudo, verificar se não há pecados graves em nossa alma, que possam estar afugentando dela a graça de Deus.

Se não houver pecados na alma, então, é preciso antes de tudo, calma, paciência e perseverança nos exercícios espirituais: oração, vida sacramental, caridade, penitência, entre outros. Mesmo sem vontade ou sem gosto, continuar, sem jamais parar, os exercícios espirituais.

O Senhor, às vezes, permite essas provações para que aprendamos a “buscar mais o Deus das consolações do que as consolações de Deus”, como ensinou um santo. São João da Cruz, místico que tanto experimentou o que chamou de “noite escura da fé”, afirmou que “o progresso da pessoa é maior quando ela caminha às escuras e sem saber.”

Muitas vezes, nos deleitamos nas orações gostosas, cheias de fervor sensível, como crianças quando comem doces. Mas quando vem a luta deixamos a oração. Veja o que nos diz a Palavra de Deus: “Filho meu, não desprezes a correção do Senhor. Não desanimes, quando repreendido por ele; pois o Senhor corrige a quem ama e castiga todo aquele que reconhece por seu filho (Pr 3,11s). Estais sendo provados para a vossa correção: é Deus que vos trata como filhos. Ora, qual é o filho a quem seu pai não corrige?… Mas se permanecêsseis sem a correção que é comum a todos, seríeis bastardos e não filhos legítimos… Aliás, temos na terra nossos pais que nos corrigem e, no entanto, os olhamos com respeito. Com quanto mais razão nos havemos de submeter ao Pai de nossas almas, o qual nos dará a vida? Os primeiros nos educaram para pouco tempo, segundo a sua própria conveniência, ao passo que este o faz para nosso bem, para nos comunicar sua santidade” (Hb 12,5-10).

Deus nos quer santos, e é também algumas vezes pela provação e pela aridez espiritual que Ele arranca as ervas daninhas do jardim de nossas almas. Coragem, alma querida de Deus! Jesus disse que Ele é a videira verdadeira, e Seu Pai o bom agricultor, que podará todo ramo bom que der fruto, para que produza mais fruto (cf. Jo 15,1-2).

Não podemos querer apenas o açúcar do pão e renegar o pão do sacrifício. Às vezes, a meditação é difícil, a oração é penosa, distraída, surgem as noites e as trevas… Nessas horas é preciso silêncio, abandono, paciência. O Esposo há de voltar logo… Em breve vai raiar a aurora e os fantasmas vão sumir.

Quanto mais a noite fica escura, tanto mais perto nos aproximamos da aurora. Deus sabe pelo que estamos passando, louvado seja o Seu santo Nome! É hora de abandono em Suas mãos paternas.

Em meio às trevas alguns sentem o coração como se fosse de gelo, não sentem mais amor a Jesus, perdem a piedade, se sentem condenados. Que desoladora confusão espiritual! Nessas horas a única saída é fechar os olhos e dar as mãos a Jesus para ser guiado por Ele na fé; confiança e abandono, irmão! Só o Senhor sabe o caminho para sairmos deste matagal fechado e escuro.

Deus nos prepara para a contemplação pelas provas passivas, ensinam os santos. Ele as produz e a alma apenas tem que aceitar. É o duro caminho dos que querem a perfeição. Ele está purificando a alma; o Cirurgião Celeste está nos operando a alma.
São João da Cruz fala da famosa “noite dos sentidos” cheia de aridez e de provação, um verdadeiro martírio para a alma. Segundo o santo doutor, é Jesus que chama a alma a caminhar com Ele no deserto, mesmo queimando os pés e sendo queimado pelo sol, para se santificar.

Calma, alma querida de Deus, Ele faz isso porque o ama muito! O fogo bom não é aquele “fogo de palha”, alto e bonito, mas rápido, que logo se apaga; mas é o fogo baixo que pega na lenha grossa e permanece por muito tempo. O fogo de palha é só para começar…

É isso que está acontecendo; não se assuste; não se preocupe porque o gosto de rezar sumiu e se tornou agora um sacrifício penoso… Fé não é sentimento e muito menos sentimentalismo; fé é adesão, com a mente, a Deus, às Suas verdades e às Suas determinações. Não se preocupe em estar ou não “sentindo” fé ou devoção; apenas viva-a; vá à Missa, ao grupo de oração, ao terço, com ou sem vontade, com ou sem gosto, com ou sem sentimento. Assim, temos mais méritos ainda diante de Deus.

Nessa situação talvez você precise de um diretor espiritual, especialmente na Confissão, para uma boa orientação.

Foto

Felipe Aquino
felipeaquino@cancaonova.com

Prof. Felipe Aquino, casado, 5 filhos, doutor em Física pela UNESP. É membro do Conselho Diretor da Fundação João Paulo II. Participa de aprofundamentos no país e no exterior, escreveu mais de 60 livros e apresenta dois programas semanais na TV Canção Nova: "Escola da Fé" e "Trocando Idéias". Saiba mais em Blog do Professor Felipe Site do autor: www.cleofas.com.br

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

O Caminho de Deus é o teu lugar


Uma das canções que mais tocam meu coração é aquela do Walmir Alencar, que diz: "O Caminho de Deus é o teu lugar". Noutra estrofe, a letra diz: "Não importa se tu és pecador", e repete a frase dita acima. Realmente, a misericórdia de Deus supera tudo: vai além dos nossos pecados, da nossa incapacidade de nos vermos como Deus nos vê e do cruel rigor com que não nos perdoamos, por vezes durante longo período, quando Deus já nos perdoou há muito tempo!

Creio que aquele que faz do Caminho de Deus o seu lugar consegue, inobstante as quedas, crescer, amadurecer, ver-se um pouco mais como Deus o vê: com Amor, só Amor, nada além do Amor!

Aliás, esta é a essência de Deus. Portanto, ele não poderia nos ver de modo diferente: "Deus é amor" (I Jo 4, 8).

Meu querido irmão, minha querida irmã, se você hoje não se perdoou, saiba: "Onde você vê uma falta a condenar e a punir, Deus vê uma miséria a socorrer"(1). Ainda que você mesmo(a) diga que não tem mais jeito, saiba: "o Caminho de Deus é o seu lugar".

E qual é o "Caminho de Deus" ? Quem é o "Caminho, a Verdade e a Vida" (Jo 14, 6) ?

Pois é: Seu lugar é no Caminho, em Jesus Cristo, no Sagrado Coração traspassado de amor por mim e por você! Entre agora, pela fé, nesse Coração Santo e repouse todo o seu ser no infinito Mar da Misericórdia!


Shalom!


Álvaro Amorim
Consagrado na Comunidade Católica Shalom

fonte: Comunidade Católica Shalom

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Que tal começar tudo pela Palavra de Deus?


A Palavra de Deus rege todas as coisas

Jesus é o motivo de todas as coisas existirem. “Tudo foi feito por ele, e sem ele nada foi feito” (Jo 1, 3). Cristo é o Senhor, e tudo Lhe está submetido, tanto o mundo material quanto o angélico, "para que, ao nome de Jesus, se dobre todo joelho no céu, na terra e nos infernos" (Fl 2, 10), também toda matéria e forma, viva ou inanimada, estão sob Seu olhar.

“Nenhuma criatura lhe é invisível. Tudo é nu e descoberto aos olhos daquele a quem havemos de prestar contas” (Hb 4, 12-13). Jesus veio revelar também ser Ele o Verbo Encarnado do Pai, a Palavra criadora (cf. Jo 1, 14). Palavra que quis se colocar em meio a nós, perpassando e agindo em nossas realidades: “a palavra que minha boca profere: não volta sem ter produzido seu efeito, sem ter executado minha vontade e cumprido sua missão” (Is 55, 11).

A Palavra de Deus rege todas as coisas. Se, então, a Palavra pode trazer essa eficácia, por que nos privamos de nos orientar por ela quando vamos empreender algo?

Queira ser um agente que propaga a Sagrada Escritura. A força e a sabedoria ali contidas provêm da boca do Senhor e não de nós. Deus não a deixará cair no descrédito. É do interesse divino que a Bíblia transmita Seus efeitos onde quer que ela seja colocada em prática e proferida, ainda que seja por nosso intermédio, servos fracos e sujeitos ao pecado.

Podemos contar sempre com os efeitos da vontade de Jesus em nossas iniciativas. Leve sempre a Bíblia aonde você for.

Comece tudo o que for fazer com a oração de um trecho bíblico, como um salmo por exemplo. Ao acordar, antes de pegar o trânsito, antes de iniciar um trabalho ou ministério, leia um versículo, busque uma passagem relacionada com a situação que você está vivendo. Com certeza, Deus lhe falará, pois Ele quer participar de sua vida. Destaque textos da Sagrada Escritura e os cole em lugares por onde for passar, na cabeceira da cama, no interior do carro, na porta da geladeira, nos cadernos e nos aparelhos de seu trabalho. Se, por vezes, enfeitamos nossos pertences com diversos dizeres, frases de efeito, figurinhas e personagens, por que não fixar também neles um versículo bíblico? Aproveite para lê-los e rezar todas as vezes em que visualizá-los.

Não se trata de separar textos que mais nos agradam e vivê-los isoladamente. Queira, com essa prática, aprender a amar a Palavra de Deus para ser Evangelho vivo, comungando-O na sua totalidade. Essa sugestão é uma maneira de memorizar trechos ou inspirar-se num lema para vida ou tempo presente.

Viver conforme a Palavra de Deus configura-nos segundo a Pessoa de Jesus, Verbo Eterno, de forma a permitirmos que Sua voz tenha poder sobre todo o nosso ser: "Porque a palavra de Deus é viva, eficaz, mais penetrante do que uma espada de dois gumes e atinge até a divisão da alma e do corpo, das juntas e medulas, e discerne os pensamentos e intenções do coração" (Hb 4, 12). Assim, também será com nossas ações e sobre o que elas desencadeiam, suas consequências e resultados.

Estas passarão a ter eficiência, tal como o coração de Deus quer imprimir nas situações em que colocamos a Palavra de Deus em prática, segundo os desígnios divinos e não somente para o alcance que imaginamos num primeiro momento.

Todas as realidades contidas na Pessoa da Palavra serão favoráveis em nossa vida, mesmo quando não entendermos o porquê de um fato acontecer daquela maneira. No final, testemunharemos que tudo concorrerá para um bem maior, pois o Altíssimo quer sempre o melhor para nós, como afirma a Bíblia: "Tudo contribui para o bem dos que amam a Deus" (Rm 8, 28).

Começar pela Palavra também é colocar Jesus em primeiro lugar.

"Antes de qualquer tarefa, vem a palavra verdadeira" (Eclo 37, 20).

Deus o abençoe!

Sandro Aparecido Arquejada-Missionário Canção Nova
blog.cancaonova.com/sandro - sandroarq@geracaophn.com

fonte: Formação Canção Nova

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Fiquemos atentos às novidades do Senhor

Rotina é o tema do grupo de oração on-line desta semana com a missionária Salette Ferreira.

Assista ao grupo de oração Amor Maior:





Salette começa esse momento de oração refletindo sobre a rotina do nosso dia a dia, que, muitas vezes, impede que a novidades de Deus aconteçam na nossa vida.

"Às vezes, a gente se queixa que a nossa vida está no mesmo, que não muda nada, é uma rotina terrível. Mas é porque não vivemos o nosso dia na dinâmica de Deus", afirma a missionária.

Ela recorda que Deus dá dinâmica à nossa vida, muda a nossa rotina e torna um dia diferente do outro. Por isso, podemos fazer as mesmas coisas nos mesmos horários, mas o jeito que vamos viver esse dia, quando estamos em Deus, é que muda, pois sempre há uma coisa nova dentro e fora de nós.

A missionária reza com a seguinte passagem bíblica: Apocalipse 21,5: Aquele que está sentado no trono disse: "Eis que faço novas todas as coisas". "Lembre-se sempre dessa Palavra, pois Deus faz novas todas as coisas, sempre há novidade de Deus para nós", aconselha a consagrada.

Salette nos conduz a fazer a seguinte oração: "Senhor, com base nessa Palavra, nós entregamos nossos entes queridos e pedimos que faça novas todas as coisas na nossa família, na nossa casa, no nosso trabalho. Realiza essa Palavra no meu interior, no meu coração. Instala, Senhor, o Seu Reino dentro de mim, liberta-me das amarras, das correntes e dos grilhões espirituais. Vem me retirar da rotina que o pecado traz em minha vida espiritual, vem me retirar da rotina que a minha falta de vontade traz em minha vida. Senhor, faça novas todas as coisas. Pelo derramamento do Seu Espírito em nós faça novas todas as coisas".

E finaliza a oração o convidando para pedir que o Senhor faça novas todas as coisas no seu casamento, na vida do seu filho, na sua família, na sua paróquia, na sua comunidade. “O Senhor sempre nos surpreende com o novo”.

fonte: Canção Nova